Barra Music: Fechada mais uma vez em dezembro de 2017

De acordo com o site do jornal O Dia, a casa de shows Barra Music, uma das maiores do Rio de Janeiro, foi fechada novamente, desta vez por falta de pagamento de IPTU:

Palco de grandes artistas como Anitta, Lulu Santos e Wesley Safadão, a dívida do Barra Music ultrapassa a quantia de R$ 50 milhões. O curioso é que a casa não tem alvará permanente. Para cada show que acontece, a empresa tem que tirar um alvará específico.

Mesmo com a ordem de despejo, a casa está anunciando o show de Jorge e Mateus, dia 15 de dezembro e do grupo de pagode Sorriso Maroto, dia 22. O último, inclusive, está sendo vendido por um site de compras coletivas por menos de R$20. Tanto o show de Jorge e Mateus quanto o do Sorriso Maroto estão confirmados e vão acontecer mesmo com o fechamento da casa de shows.

A notícia foi encontrada clicando aqui.

Leia também:
– [20.06.2013] Fechamento do Barra Music: Muito além do trânsito caótico
– [04.07.2016] Barra Music: Fechamento temporário por falta de alvará

Barra Music: Interdição continua em outubro de 2016

De acordo com o site do jornal O Dia, os desembargadores da 18ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro decidiram, em 29.09.2016, manter a interdição da casa de shows Barra Music, em Jacarepaguá, Zona Oeste. O local está fechado desde julho de 2016:

Na sessão, os magistrados negaram provimento ao recurso pedido pela empresa Crer Shows e Entretenimento, dona da casa de espetáculos, contra o município do Rio de Janeiro, que fez a interdição do local por falta de “habite-se”.

A empresa alegou que o procedimento para a concessão do “habite-se” está em tramitação e não foi concluído por demora da administração pública. Argumentou ainda que o local possui autorização para funcionamento do Corpo de Bombeiros. Segundo ela, o encerramento das atividades prejudicará centenas de funcionários, além de existir inúmeros eventos agendados.

De acordo com o TJ, a empresa afirmou que o município do Rio pediu a suspensão da decisão administrativa até a concessão do “habite-se” ou estabelecido um prazo para regularização antes do encerramento das atividades. Os magistrados que compõem a 18ª Câmara Cível seguiram o voto do relator do processo, desembargador Carlos Eduardo da Fonseca Passos.

A notícia foi encontrada clicando aqui.