Márcio Proença (1943-2017)

Márcio Proença

Márcio Proença

De acordo com a coluna do critico Mauro Ferreira, o compositor fluminense Marcio Proença, parceiro de nomes como Aldir Blanc e Paulo César Pinheiro, faleceu em 21.05.2017:

Márcio Proença (14 de novembro de 1943 – 21 de maio de 2017) saiu de cena na primeira hora da madrugada de hoje em Nitéroi (RJ), cidade onde nasceu há 73 anos e da qual nunca quis se afastar. Vítima de complicações decorrentes de leucemia, Proença deixa obra autoral reverenciada no meio artístico. Mesmo sem ter emplacado sucessos populares, o compositor foi gravado e respeitado por quem entende de música, casos de cantoras exigentes ao selecionar repertório, como Beth Carvalho, Leny Andrade e Nana Caymmi.

Foi na voz de Beth, a propósito, que o samba Cabrocha da mangueira, parceria de Proença com Paulo César Pinheiro, chegou ao disco em 1991, no álbum Intérprete, sendo regravado três anos depois por Leny, outra cantora bamba. A mesma Beth Carvalho lançara em 1989 a canção romântica Ziguezagueou, composta por Proença com os parceiros Cláudio Cartier e Marco Aurélio.

Outra voz-grife da música brasileira, Nana Caymmi gravou com Proença em 1984 a composição Águas partidas (Márcio Proença, Marco Aurélio e Paulo Emílio), em registro feito para Eterno diálogo, álbum do compositor que também foi cantor e deixou discos como Márcio Proença (1981), Facho de luz (2004) e Retrato cantado (2014). E por falar em Nana, ela gravaria Outra tarde e Marca da paixão, parcerias de Proença com Marco Aurélio, nos álbuns Alma serena (1996) e Desejo (2001), respectivamente.

A trajetória musical de Márcio Proença começou na década de 1960, quando, ainda estudante, conheceu Gonzaguinha (1945 – 1991) e Paulo Emílio, compositores com os quais iria formar o Movimento Artístico Universitário (MAU) no desabrochar da década de 1970. Ainda nos anos 1970, Proença entrou para o coro da banda do cantor Roberto Carlos, a convite do maestro Eduardo Lages, com quem atuara no Quarteto Forma, grupo vocal dos anos 1960.

Leia mais clicando aqui.

Elza Lakschevitz: Falecimento

Morreu, no Rio em 20.05.2017, a pianista, maestrina e professora Elza Lakschevitz Assunção:

Elza marcou seu nome no cenário musical carioca, com o Coro Infantil do Theatro Municipal, além de suas atividades no campo da música sacra. Elza sofria, há 17 anos, de mal de Alzheimer.

O funeral acontecerá em 21.05.2017:

IGREJA BATISTA ITACURUÇÁ – 13h
Praça Barão de Corumbá, 49, Tijuca – Rio

CEMITÉRIO SÃO FRANCISCO XAVIER –
15h (Cemitério do Cajú)
Rua Monsenhor Manuel Gomes, 155, S. Cristóvão – Rio

Kid Vinil (1955-2017)

A noticia do falecimento do músico Kid Vinil foi dada por seu amigo Luiz Thunderbird no Twitter:

No Globo Online:

Antonio Carlos Senefonte, 62 anos, teve uma parada cardiorrespiratória após fazer show em um clube de Conselheiro Lafaiete (MG) na noite de 15 de abril. A morte foi causada por complicações de um edema.

Paulista de Cedral, Kid Vinil teve grande sucesso nos anos 1980 à frente do grupo Magazine, emplacando hits que aproximaram o rock brasileiro do gosto e da linguagem popular. O país se divertiu com a crônica urbana de “Sou Boy”, embarcou no romantismo adolescente de “Tic Tic Nervoso”, e aprovou sua interpretação de “Comeu”, de Caetano Veloso, tema de abertura da novela “A gata comeu”, da TV Globo, em 1985.

Antes do estouro, porém, Kid já era reconhecido como agitador da cena punk e new wave de São Paulo, atuando como cantor do grupo punk/rockabilly Verminose. A popularidade do Magazine arrefeceu no fim dos anos 80, mas Kid seguiu brilhando como comunicador no rádio e na TV. Fez fãs e “discípulos” por onde passou, pelo carisma e pelo conhecimento enciclopédico de rock que generosamente distribuía a ouvintes e espectadores.

Nos anos 2000, atuou também como executivo de gravadora e como DJ. Retomou as atividades do Magazine e, a partir de 2005, levou em frente o Kid Vinil Xperience. Dono de uma coleção gigantesca de discos (cerca de 10 mil CDs e 10 mil vinis), ele permaneceu até os últimos dias antenado com a produção do rock internacional, que apresentava com entusiasmo de garoto em seu programa de rádio pela 89 FM de São Paulo.

No Wikipedia:

Kid Vinil era o nome artístico de Antônio Carlos Senefonte (Cedral, 10 de março de 1955 – 19 de maio de 2017), que ficou famoso no rock brasileiro dos anos 80. Foi um cantor, radialista, compositor, apresentador de televisão e jornalista. Foi vocalista do Verminose, Magazine, Kid Vinil e os Heróis do Brasil e Kid Vinil Xperience.

(…) Também foi um dos maiores incentivadores do início do movimento punk paulista, organizando shows e tocando músicas de bandas de punk rock e pós-punk em seu programa de rádio.

Site oficial:
http://www.kidvinil.com.br

No site Metropoles:

Kid Vinil, músico, jornalista e radialista, morreu nesta sexta (19/5), aos 62 anos, em São Paulo. O falecimento foi comunicado pelo amigo e radialista Luiz Thunderbird, via Twitter. Ele estava internado há cerca de um mês na UTI do Hospital da Luz, após passar mal em um show realizado em Minas Gerais.

Chris Cornell (1964-2017)

Chris Cornell

Chris Cornell

De acordo com o portal G1, o músico Chris Cornell, vocalista do Soundgarden e mais tarde do Audioslave, morreu na noite de 17.05.2017 aos 52 anos em Detroit, conforme informou a imprensa dos Estados Unidos e a agência Associated Press (AP):

A causa da morte do músico não foi informada. A família pediu privacidade, segundo a mídia norte-americana.

(…) “You know my name”, tema do filme de James Bond Casino Royale foi um dos grandes sucessos do cantor.

Nascido e criado em Seattle, Cornell foi um dos principais arquitetos do movimento grunge, formando o Soundgarden ao lado do guitarrista Kim Thyail e do baixista Hiro Yamamoto, em 1984.

Depois, Cornell formou o supergrupo Audioslave, com Tom Morello de Rage Against The Machine, Tim Commerford e Brad Wilk. Em 2007, se concentrou em carreira solo antes de se reagrupar com Soundgarden, em 2010.

Leia mais clicando aqui.

Almir Guineto (1946-2017)

Almir Guineto

Almir Guineto

O samba brasileiro está mais triste. De acordo com o portal G1, o cantor e compositor Almir Guineto morreu, aos 70 anos, na manhã de 05.05.2017 no Rio após complicações de problemas renais crônicos e diabetes:

Um dos fundadores do Fundo de Quintal, ele estava em tratamento no Hospital Clementino Fraga Filho, da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

A família do cantor agradeceu pelas orações e o carinho de todos os fãs e admiradores através de uma rede social. As informações sobre o velório e o sepultamento ainda não foram divulga

Nos últimos 15 meses, Almir Guineto lutava contra problemas renais crônicos, o que o impossibilitou de assumir compromissos em shows e apresentações.

Nascido e criado no Morro do Salgueiro, na Zona Norte do Rio, Almir Guineto teve contato direto com o samba desde a infância, já que havia vários músicos em sua família. Seu pai Iraci de Souza Serra era violonista e integrava o grupo Fina Flor do Samba; sua mãe Nair de Souza, conhecida como “Dona Fia”, era costureira e uma das principais figuras da Acadêmicos do Salgueiro; seu irmão Francisco de Souza Serra, conhecido como Chiquinho, foi um dos fundadores dos “Originais do Samba”.

Almir Guineto

Almir Guineto

Na década de 1970, Almir já era mestre de bateria e um dos diretores da Salgueiro e fazia parte do grupo de compositores que freqüentavam o Bloco Carnavalesco Cacique de Ramos. Nessa época, Almir inovou o samba ao introduzir o banjo adaptado com um braço de cavaquinho. O instrumento híbrido foi adotado por vários grupos de samba.

Leia mais clicando aqui.

musicamagia.wordpress.com

Bruce Hampton (1947-2017)

Bruce Hampton

Bruce Hampton

De acordo com o UOL, o músico americano Bruce Hampton, um dos grandes nomes do blues de Atlanta, passou mal e desmaiou no palco durante show de comemoração dos seus 70 anos, de 01 para 02.05.2017, no Fox Theatre, na cidade onde se consagrou. Ele foi resgatado e levado ao hospital, mas acabou morrendo horas depois:

A tragédia ocorreu já na reta final do show. Bruce estava tocando Turn On Your Lovelight como parte do bis, quando subitamente caiu no palco. A banda continuou tocando, achando se tratar de um ato performático por parte do músico. Ao perceber que ele não se mexia, a apresentação foi pausada e ele foi resgatado. Seu aniversário de 70 anos foi no domingo (30).

Hampton era conhecido como o ˜vovô da jam session de Atlanta˜. O show de celebração de seu aniversário teve quatro horas de duração e contou com nomes como John Popper, Oliver Wood, o ex-guitarrista do R.E.M Peter Buck e Derek Trucks e Susan Tedeschi, da banda Tedeschi Trucks Band.

A notícia foi encontrada aqui.

Belchior (1946-2017)

Ilustração: Marcos Paulo Drummond

Ilustração: Marcos Paulo Drummond

“Você não sente nem vê
Mas eu não posso deixar de dizer, meu amigo,
Que uma nova mudança em breve vai acontecer.
E o que há algum tempo era novo, jovem,
Hoje é antigo, e precisamos todos, rejuvenescer.

Nunca mais meu pai falou:
– She’s leaving home!
E meteu o pé na estrada, like a Rolling Stones.
Nunca mais você buscou sua menina
Para correr no seu carro (loucura, chiclete e som).
Nunca mais você saiu à rua em grupo ou reunido
O dedo em V, cabelo ao vento, amor e flor, que é do cartaz.
No presente a mente, o corpo é diferente,
E o passado é uma roupa que não nos serve mais.
No presente a mente, o corpo é diferente,
E o passado é uma roupa que não nos serve mais.

(REFRÃO) – 2x
Você não sente nem vê
Mas eu não posso deixar de dizer, meu amigo,
Que uma nova mudança em breve vai acontecer.
E o que há algum tempo era novo, jovem,
Hoje é antigo, e precisamos todos, rejuvenescer.

Como Poe, poeta louco americano, eu pergunto ao passarinho:
– Black Bird, o que se faz?
Raven, rever, raven, rever, raven.
Black Bird me responde:
– Tudo já ficou atrás.
Raven, rever, raven, rever, raven.
Assum Preto me responde:
– O passado nunca mais.”

Velha Roupa Colorida
(Belchior)

Belchior

Belchior

De acordo com o site do jornal O Povo, o cantor e compositor Belchior morreu na noite de 29.04.2017, em Santa Cruz do Rio Grande do Sul, aos 70 anos:

Familiares confirmaram o falecimento, entretanto, a causa ainda é desconhecida. O corpo deve ser trazido para o Ceará ainda hoje. O sepultamento deve ocorrer em Sobral.

A nota foi encontrada aqui.

O site Cultura ao Minuto diz que foi em 30.04.2017:

Em nota, o governador do Ceará, Camilo Santana, informou que decretou luto oficial de três dias no estado.

“O povo cearense enaltece sua história, agradece imensamente por tudo que fez e pelo legado que deixa para a arte do nosso Ceará. Que Deus conforte a família, amigos e fãs de Belchior”, escreveu em post no Facebook.

Leia mais clicando aqui.

A nota no Estadão diz que foi “na madrugada deste domingo, 30”, em Santa Cruz, no Rio Grande do Sul:

A família do artista já comunicou o governo do Ceará e pediu ajuda para realizar o translado do corpo para a cidade de Sobral, no Ceará, onde ele nasceu e será enterrado.

O governo do Ceará decretou luto de três dias no Estado pela morte de Belchior.

No Wikipedia:

Belchior (Sobral, 26 de outubro de 1946 – Santa Cruz do Sul, 30 de abril de 2017), foi um dos primeiros cantores de MPB do nordeste brasileiro a fazer sucesso nacional, em meados da década de 1970.

Leia mais sobre o falecimento de Belchior clicando aqui.

Jerry Adriani (1947-2017)

Jerry Adriani

Jerry Adriani

De acordo com o portal G1, o cantor Jerry Adriani, ídolo da Jovem Guarda, morreu às 15h30 de 23.04.2017, aos 70 anos, no Rio:

Ele enfrentava um câncer e estava internado no Hospital Vitória, na Barra da Tijuca, Zona Oeste.

A família confirmou a morte do artista ao G1, mas ainda não deu informações sobre horário e local do velório e do enterro. Recentemente, Jerry Adriani havia sofrido uma trombose em uma das pernas.

Ícone da Jovem Guarda, Jair Alves de Souza nasceu em 29 do janeiro de 1947, no bairro do Brás, em São Paulo.

Adotou o nome artístico de Jerry Adriani quando começou sua carreira como cantor, em 1964. O primeiro disco foi “Italianíssimo”, quando cantava músicas em italiano, algo que seguiu fazendo em toda a carreira.

Em 1965, o cantor passou a gravar em português, com músicas reunidas no disco “Um grande amor”.

Também na década de 1960, Jerry virou apresentador do programa “Excelsior a Go Go”, da TV Excelsior. O programa coapresentado por Luiz Aguiar era um musical com apresentações de artistas como Os Vips, Os Incríveis e Cidinha Santos.

Outro programa musical que ele comandou foi “A grande parada”, no ar pela TV Tupi em 1967 e 1968. Ele era um dos apresentadores ao lado de Neyde Aparecida, Zélia Hoffmann, Betty Faria e Marilia Pera.

Além da TV, Jerry se aventurou pelo cinema. Ele cantou e atuou em “Essa gatinha a minha” (com Peri Ribeiro e Anik Malvil); “Jerry, A grande parada”; e “Jerry em busca do tesouro” (com Neyde Aparecida e os Pequenos Cantores da Guanabara).

Leia mais clicando aqui.

Por Mauro Ferreira:

Jerry Adriani sai hoje de cena, aos 70 anos, já imortalizado como o bom rapaz para sempre associado à Jovem Guarda.

Por ironia, quem fez sucesso na era das jovens tardes dominicais com uma música chamada “O bom rapaz” foi Wanderley Cardoso, concorrente de Jerry no mercado pop que se abriu no Brasil ao longo dos anos 1960. A rigor, Jair Alves de Souza (29 de janeiro de 1947 – 23 de abril de 2017) surgiu para valer em 1964, um ano antes da explosão da Jovem Guarda, em 1965. Na pré-história do pop nacional, o artista, logo rebatizado Jerry Adriani, foi a voz brasileira das canções italianas que ganhavam o mundo naquela época com letras de tons sentimentais como a alma brasileira.

Nascido no italianado bairro paulistano do Brás, Jerry cumpriu muito bem o papel de galã nessa fase inicial da carreira. Mas foi gravando em bom português sucessos como “Doce, doce amor” que ele se consolidou na indústria da música. Terminada a era de rebeldia romântica da Jovem Guarda, Jerry continuou transitando pela canção popular brasileira. A canção brega, no dicionário elitista da MPB. Nessa fase, fez conexões com um roqueiro ainda em início de carreira chamado Raul Seixas (1945-1989). Jerry, aliás, pretendia gravar neste ano de 2017 um disco com canções desta face pouco valorizada da obra de Raul, a quem apoiou no início da carreira.

Jerry escrevia também uma autobiografia, com a ajuda do pesquisador musical Marcelo Fróes. No livro, certamente falaria da semelhança vocal com Renato Russo (1960-1996), o mentor e vocalista da banda brasiliense Legião Urbana, projetada em escala nacional em 1985, quando o mercado de música pop já havia se consolidado no Brasil. Em vez de provocar rivalidade,os timbres similares criaram aura de simpatia entre os artistas, o que legitimou Jerry a gravar um álbum com versões em italiano dos maiores sucessos da banda de Russo. O disco “Forza sempre” saiu em 1999, já como uma homenagem póstuma a Russo e repôs Jerry nas paradas por um tempo.

Leia o texto completo clicando aqui.

Allan Holdsworth (1946-2017)

Allan Holdsworth

Allan Holdsworth

O guitarrista Allan Holdsworth faleceu aos 70 anos:

Louise Holdsworth, filha de Allan Holdsworth, noticiou a morte do lendário guitarrista via facebook. “É com o coração pesado que informamos a todos a morte de nosso amado pai. Pedimos privacidade e tempo para que possamos superar a perda de nosso pai, avô, amigo e gênio da música” diz a nota, onde ela explica que os familiares e amigos próximos serão informados sobre o funeral e um memorial público será disponibilizado ao público, finalizando que todos estão em choque pela sua morte repentina e não tem palavras para descrever o sentimento de perda”. Allan estava com 70 anos de idade, e além da carreira solo, gravou disco com bandas como Tempest, Soft Machine, UK, Planet X e outros. Não foi informada a causa de sua morte.

A notícia foi encontrada aqui.

Wagner Carneiro Leão: Falecimento

Wagner Carneiro Leão

Wagner Carneiro Leão

O portal G1 o identificou como “atleta carioca”, mas Wagner Carneiro Leão era músico, maestro e regente. Ele morreu atingido por uma palmeira que caiu durante uma corrida de obstáculos:

A fatalidade aconteceu por volta das 10h30, neste sábado (18), em Morada da Barra, em Vila Velha, no Espírito Santo.

A organização do evento informou que o corredor foi socorrido por uma ambulância que estava no local, mas não resistiu e morreu no novo Hospital São Lucas, em Vitória.

Wagner estava na segunda bateria e no quinto obstáculo da prova King’s Race quando o acidente aconteceu. “É uma palmeira da natureza, que estava sendo utilizada como apoio para uma rede, onde o corredor precisava passar por cima”, diz a organização.

Sobre a dinâmica do acidente, a organização disse que não sabe informar se a árvore caiu na hora em que Leão passava pelo obstáculo. “A gente acredita que ele não tinha nem começado a transpor a rede. Todos os obstáculos foram testados, inclusive crianças e deficientes visuais participavam da corrida”, reforçou uma representante da organização do evento.

A organização disse que Wagner estava sozinho no obstáculo no momento da queda, mas que outras pessoas já tinham passado pelo local.

Leia mais clicando aqui.

Wagner Carneiro Leão, nascido em São João de Meriti, RJ, teve contato com a música aos 12 anos na Igreja, onde iniciou seu conhecimento musical. Trabalhou como pianista de corais nas igrejas e logo passou a regente de corais. Regeu corais adultos, de crianças e adolescentes e terceira idade. Coordenou por dez anos as atividades dos corais messiânicos junto com os regentes da Instituição. Fez oficinas de corais organizadas no Rio de Janeiro pelo Maestro Eduardo Lakschevitz, Crismarie Hackenberg, Patrícia Costa, entre outros. Participou de encontro de corais pelo Brasil e regeu os corais Amantes da Música, Escola de Música Arte Musical, INSS-RJ, INSS-NIT e SESCON.

Muitas homenagens em sua página oficial no Facebook:
https://m.facebook.com/wagnerleaomusico

Na Gazeta Online:

Wagner Carneiro Leão começou a correr há cerca de seis meses e se apaixonou pela atividade, de acordo com amigos.

Emocionados com a perda, os membros do coral de música popular brasileira “Amantes da Música”, do qual ele era maestro, contaram ao Gazeta Online que Wagner participava de corridas dentro e fora do Rio e até disputou a São Silvestre, em São Paulo, no final de 2016. “Tem uns seis meses que ele começou a correr. Antes se dedicava totalmente à música. Estava acima do peso e começou a correr para entrar em forma”, afirma a amiga e terapeuta holística, Celma Villela.

Leia mais clicando aqui.

Grupo Vocal Amantes da Música

Grupo Vocal Amantes da Música

Chucky Berry (1926-2017)

Chucky Berry

Chucky Berry

De acordo com o portal G1, o lendário músico Chuck Berry morreu neste sábado [18.03.2017] aos 90 anos no Missouri, informa a polícia local do condado de St. Charles:

O músico foi encontrado morto em sua casa já sem sinais vitais.

“O departamento de polícia do condado de St. Charles infelizmente tem de confirmar a morte de Charles Edward Anderson Berry Senior, melhor conhecido como o lendário músico Chuck Berry”, afirma a polícia, em nota. De acordo com os oficiais, a família pede “privacidade durante esse momento de perda”.

Leia mais clicando aqui.

No Wikipédia:

Chuck Berry, nome artístico de Charles Edward Anderson Berry (Saint Louis, 18 de outubro de 1926 – St. Charles, 18 de março de 2017), foi um compositor, cantor e guitarrista dos Estados Unidos. É apontado por muitos como um dos pioneiros do rock and roll. Apesar de ninguém poder garantir que criou o rock and roll sozinho, já que o estilo foi produto de um contexto do pós-guerra nos EUA e da mistura de jump blues e R&B que era feita por vários músicos afro-americanos até durante a época, Chuck Berry é considerado, e corretamente, um dos pioneiros do estilo justamente por ter feito a mistura funcionar.

De uma forma geral só se pode afirmar que o rock and roll foi criado pelos seus pioneiros, o que inclui vários músicos.

Chiquinho Vírgula: Falecimento

Chiquinho Vírgula

Chiquinho Vírgula

De acordo com o Globo Online, o cantor e compositor Chiquinho Vírgula, de 61 anos, morreu em 15.03.2017 vítima de um infarto, dentro de casa, no Cachambi, na Zona Norte do Rio. Ele é coautor de “Insensato destino” (com Maurício Lins e Acyr Marques), um dos maiores sucesso de Almir Guineto e que foi gravado por muitos outros artistas:

Carioca do Rio Comprido, Francisco Magalhães de Souza, o Chiquinho Vírgula, cresceu em Piedade. Foi lá que conheceu os caminhos para o Cacique de Ramos e a quadra do Império Serrano, suas portas de entrada para o mundo do samba. Em 1983, aos 28 anos, teve a sua primeira música gravada: “Fases de amor” (Com Marquinhos PQD e Fernando Piolho), no LP “Nos Pagodes da Vida”, do grupo Fundo de Quintal.

Por 19 anos, Chiquinho trabalhou na Financiadora de Estudos e Projetos do Ministério da Ciência e Tecnologia (Finep). Foi contínuo e auxiliar administrativo. Ele estava desempregado desde julho de 2016, quando deixou o posto de assistente operacional da Associação dos Servidores da Prefeitura do Rio de Janeiro (ASPRERJ). Os últimos dias de Chiquinho foram de preocupação. Enquanto tentava se aposentar, procurava emprego.

Sujeito pacato e muito ligado à família, ele buscava sua paz dentro de casa, na fé em Deus e num sonho antigo: Chiqunho estava gravando seu primeiro álbum.

Mas por volta das 6h de hoje, o compositor, pouco depois de se levantar da cama, sentiu fortes dores no peito, sofreu um infarto e morreu. O enterro deve acontecer na tarde de amanhã, mas ainda não se sabe em qual cemitério.

A notícia foi encontrada aqui.

Joni Sledge (1957-2017)

Joni Sledge

Joni Sledge

De acordo com o Globo Online, Joni Sledge, cantora e integrante do grupo Sister Sledge, foi encontrada morta em sua casa em Phoenix, nos Estados Unidos em 10.03.2017:

Segundo a “CNN”, a artista de 60 anos não estava doente e deveria se apresentar com o grupo no próximo sábado em Los Angeles

Seu corpo foi encontrado por um amigo nesta sexta-feira, e a causa de sua morte ainda não foi divulgada.

“Ontem, o torpor tomou conta da nossa família. Nós estamos tristes por informar que nossa querida irmã, mãe, tia, sobrinha e prima Joni faleceu ontem. Por favor, rezem por nós enquanto choramos por esta perda”, anunciou a banda em comunicado divulgado sábado em seu site e em sua página no Facebook. “Agradecemos de antemão por permitir-nos a privacidade de chorar tranquilamente como uma família”, acrescenta a nota.

Leia mais clicando aqui.

Felipe Yves: Falecimento

Felipe Yves

Felipe Yves

De acordo com o portal G1, o cantor e compositor Felipe Yves, cantor da banda Golaço, foi encontrado morto em um matagal no bairro de Boca da Mata, em Salvador, em 06.03.2017:

Segundo informações da polícia, a vítima tinha marca de tiros e estava com a cabeça semi-degolada. A confirmação da identificação do corpo foi divulgada pelo Departamento de Polícia Técnica (DPT) na manhã desta terça-feira (7).

Felipe Yves ficou conhecido como cantor da banda Golaço, e por compor a canções “Bumbum no paredão”, interpretada por Léo Santana, e “Depois de nós, é nós de novo”, cantada pelo músico e vereador de Salvador, Igor Kannário. Em fevereiro deste ano, Felipe usou uma rede social para avisar aos fãs que passaria a cantar apenas músicas gospel.

A morte do cantor será investigada pelo Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP). Até a manhã desta terça-feira, a autoria e motivação do crime não foram determinadas pela polícia.

A nota foi encontrada aqui.

Leia também:
“Foi vingança”, diz esposa de compositor de músicas de Léo Santana e Kannário que foi degolado

Larry Coryell (1943-2017)

De acordo com o site da revista Quem, morreu em 19.02.2017 o guitarrista de jazz Larry Coryell, considerado o “padrinho do jazz fusion”:

Segundo o assessor de Corryell, Kurt Nishimura, o músico morreu de causas naturais.

Larry Corryell

Larry Corryell

Ele tinha 73 anos e chegou a fazer duas apresentações às vésperas de sua morte: uma na sexta (17) e outra no sábado (18).

Leia mais clicando aqui.

Leia também no site da Billboard:
http://www.billboard.com/articles/news/7694346/larry-coryell-dies-obituary-legendary-jazz-guitarist-godfather-of-fusion

Tibério Gaspar (1943-2017)

Tibério Gaspar

Tibério Gaspar

De acordo com o Globo Online, o grande Tibério Gaspar, compositor de “Sá Marina” (com Antonio Adolfo), sucesso na voz de Wilson Simonal, morreu na tarde de 15.02.2017:

No último dia 29, o músico passou mal no camarim do Teatro Glaucio Gill e foi levado para o Hospital Miguel Couto. No período em que ficou internado, sua saúde piorou com uma infecção e ele veio a falecer ao meio-dia desta quarta-feira.

Com o pianista Antonio Adolfo, o letrista e melodista carioca Tibério Gaspar iniciou em 1967 uma parceria que viria a marcar aqueles tempos de festivais da canção. São da dupla grandes sucessos da MPB como “Sá Marina” (que ficou conhecida na gravação de Wilson Simonal, mas foi cantada até por Stevie Wonder na versão em inglês “Pretty world”), “Juliana”, “Teletema” (sucesso de Evinha, que representou o Brasil em 1970 na Olimpíada da Canção em Atenas) e “BR3”, composição vitoriosa, com a voz de Tony Tornado, no mesmo ano, no V Festival Internacional da Canção.

Mas essa foi apenas uma das facetas de Tibério, violonista autodidata que compôs jingles publicitários, trabalhou na produção de shows e de discos.

Leia mais clicando aqui.

Leia mais sobre Tibério em
http://dicionariompb.com.br/tiberio-gaspar

Al Jarreau (1940-2017)

Al Jarreau

Al Jarreau

Quando morre um ídolo… o que fazer? A notícia nem chegou ao Brasil ainda… mas é preciso, ainda que aos prantos, informar. O incrível Al Jarreau, um dos maiores cantores de todos os tempos, faleceu em 12.02.2017…

Just days after announcing that he was retiring from touring after being hospitalized for exhaustion, legendary jazz singer Al Jarreau passed away Sunday morning in Los Angeles.

The singer’s manager, Joe Gordon, released a statement–which was shared with EBONY by reporter Darlene Hill–about the singer’s death.

Dear friends, family and colleagues,

Al Jarreau passed away this morning, at about 5:30am LA time. He was in the hospital, kept comfortable by Ryan, Susan, and a few of his family and friends.

Ryan and Susan will hold a small, private service at home, for immediate family only. No public service is planned yet, but I will inform you if that changes.

Ryan asks that no flowers or gifts are send to their home or office. Instead, if you are motivated to do so, please make a contribution to the Wisconsin Foundation for School Music, a wonderful organization which supports music opportunities, teachers, and scholarships for students in Milwaukee and throughout Wisconsin. A donation page is here. Even if you do not plan to contribute, please list that page and give yourself a few minutes to watch a beautiful tribute video that Wisconsin Public Television produced to honor Al when he received his lifetime achievement award in October.

Al Jarreau

Al Jarreau

Born and raised in Milwaukee, Jarreau’s unique singing style helped to make him one of jazz’s greatest vocalists. During college, where he received a Bachelors of Arts in Psychology, Jarreau performed with a local group called The Indigos before moving to San Francisco. There he hooked up with fellow jazz great George Duke to form a trio.

Leia mais em
http://www.ebony.com/entertainment-culture/al-jarreau-dead#ixzz4YUl2RmPR

Al Jarreau

Al Jarreau

Premiações no Grammy Award:

1978 – Best Jazz Vocal Performance, “Look To The Rainbow”
1979 – Best Jazz Vocal Performance, “All Fly Home”
1982 – Best Male Pop Vocal Performance, “Breakin’ Away”
1982 – Best Male Jazz Vocal Performance, “(Round, Round, Round) Blue Rondo A La Turk”
1993 – Best Male Rhythm & Blues Vocal Performance, “Heaven And Earth”

Talvez seu maior sucesso, “Your Song”:

Uma das mais populares, “Mornin'”:

“After All”, uma das mais emocionantes:

“Take Five”:

“Summertime”:

Esse álbum inteiro é incrível:

Mais uma lindeza:

Helio Matheus (1940-2017)

7dbb14d2-5b9f-452c-ad23-43c14d01c93c_heliomatheusfoto

Mauro Ferreira comenta no portal G1 sobre o falecimento de Hélio Matheus:

Pelo nome do compositor, o Brasil talvez já não se lembre da obra autoral de Helio Matheus (5 de julho de 1940 – 9 de fevereiro de 2017), mas quem viveu nos anos 1970 certamente cantou alguma música deste cantor e compositor carioca que saiu de cena aos 76 anos no fim da tarde de ontem, na cidade de São Paulo (SP), onde o artista vivia em albergue da prefeitura (causada por um AVC, a morte foi confirmada pela filha do artista, Heliana Matheus, em rede social). Provavelmente essa música foi Camisa 10, parceria de Matheus com Luis Vagner lançada com grande sucesso popular em 1973 na voz do cantor paulista Luiz Américo.

Contudo, após ter tocado em boates no início dos anos 1960, Helio Matheus compôs outras músicas que ganharam vozes como as de Elis Regina (1945 – 1982), Vanusa e Wanderléa. Em 1970, Elis incluiu no repertório do álbum …Em pleno verão a música Comunicação, parceria de Matheus com Edson Alencar que havia sido lançada no ano anterior, em disco e em festival, pela cantora Vanusa. Em 1973, ano em que o Brasil vestiu Camisa 10, Wanderléa gravou o samba-rock Kriola e o cantor Antonio Marcos (1945 – 1992) lançou Ninguém vai chorar por mim, músicas compostas por Helio Matheus sem parceiros.

Leia mais clicando aqui.

Marc Spitz, jornalista (1969-2017)

Marc Spitz

Marc Spitz

De acordo com o site Pop Fantasma, Marc Spitz, grande nome do jornalismo de rock, morreu aos 47 anos. Novaiorquino, ele escreveu biografias de David Bowie e Mick Jagger e “We got the neutron bomb”, história oral do punk de Los Angeles:

Autor de livros sobre David Bowie, Mick Jagger, Green Day e do indispensável “We got the neutron bomb: an oral history of LA’s punk scene”, o jornalista americano Marc Spitz morreu neste sábado (4), informa o site “Pitchfork”. Spitz, nascido em Queens, Nova York, tinha 47 anos.

Leia mais clicando aqui.

Heloisa Faissol: Falecimento

Heloisa Faissol

Heloisa Faissol

De acordo com o site do jornal Extra, a socialite e funkeira Heloísa Worms Pinto, de 46 anos, conhecida como Heloísa Faissol, que participou do reality show “A Fazenda”, foi encontrada morta na tarde de 02.02.2017 no apartamento em que morava, na Rua Souza Lima, em Copacabana, na Zona Sul do Rio:

A causa da morte ainda não foi divulgada pela Polícia Civil. O caso será investigado pela 13ª DP (Copacabana). O corpo foi recolhido para o Instituto Médico Legal (IML).

Leia mais clicando aqui.

Leia também:
Quem – NOTÍCIAS – Ela é Helô Quebra-Mansão – Revista Quem

Alguns sites questionaram durante a noite a notícia, como o 1News:

Foi só o colunista Leo Dias anunciar a suposta morte de Heloísa Faissol para os internautas ficarem revoltados e protestarem contra ele, acusando-o de divulgar uma falsa notícia.

A nota de Leo Dias, dada na madrugada de 03.02.2017:

A história é muito delicada. Um corpo foi encontrado na tarde desta quinta-feira, 2, em um apartamento na Rua Souza Lima, em Copacabana, na Zona Sul do Rio. Sem detalhes sobre suposições da causa da morte, amigos dão conta que trata-se da socialite Heloísa Faissol, a 3ª colocada do reality “A Fazenda”, da sétima edição.

A polícia ainda não confirma a morte oficialmente. As informações colhidas foram de maneira extraoficial.

O jornal O Globo confirma a morte:
Socialite Heloísa Faissol é encontrada morta no Rio

E a Policia Civil confirmou durante a manhã de 03.02.2017:
Polícia Civil confirma morte da ex-Fazenda Heloisa Faissol

Heloisa Faissol em A Fazenda

Heloisa Faissol em A Fazenda

Roberto Morais: Falecimento

De acordo com o perfil do Dicionário Cravo Albin no Facebook…

https://m.facebook.com/story.php?story_fbid=1342201982505623&id=615402051852290

… faleceu em 20.01.2017 o cantor Roberto Morais, do grupo “Os 3 Morais”. Roberto era irmão de Jane Morais, da dupla Jane e Herondy, e o trio precedeu a formação da dupla que se tornou grabde sucesso nos anos 70 e 80. Fonte do excerto abaixo:

https://m.facebook.com/photo.php?fbid=1227162277377594&id=100002515007482&set=gm.1345972515466511

screenshot_2017-01-21-10-38-55-1

Darci Rossi: Falecimento

Darci Rossi

Darci Rossi

De acordo com o portal Ego, Darci Rossi, compositor de “Fio de Cabelo” — sucesso na voz de Chitãozinho e Xororó — e outros clássicos sertanejos, morreu na manhã de 20.01.2017:

Responsável por hits de diversos artistas, como João Mineiro e Marciano, Bruno e Marrone, Victor e Leo e até Sandy e Junior, Darci morreu vítima de uma infecção pulmonar. Ele estava internado em um hospital de Valinhos, no interior de São Paulo.

A informação foi confirmada por Marcelo Rossi, filho do compositor. “Ele esteve internado dos dias 23 a 25 de dezembro. Teve uma melhora, estava em casa. Na última terça teve uma recaída, foi direto para a UTI e hoje à 06h30 veio a óbito”, contou Marcelo.

Leia mais clicando aqui.

Loalwa Braz (1953-2017)

Loalwa Braz

Loalwa Braz

De acordo com o portal G1, a cantora Loalwa Braz Vieira, ícone da lambada e famosa pelo hit “Chorando se foi”, morreu em Saquarema, na Região dos Lagos do Rio:

O corpo dela foi encontrado dentro de um carro incendiado na manhã de 19.01.2017. Segundo a polícia, homens invadiram a pousada de Loalwa, de 63 anos, onde ela também morava, e a colocaram no carro onde o corpo foi encontrado, na Estrada da Barreira, no Distrito de Bacaxá. A 124ª Delegacia de Polícia investiga o caso.

Leia mais clicando aqui.

Mauro Ferreira fala sobre a cantora:

Pelo primeiro nome, Loalwa Braz Vieira (3 de junho de 1953 – 19 de janeiro de 2017) nem parecia ser carioca. Mas a cantora que o Brasil inteiro ouviu em 1989 nasceu mesmo na cidade do Rio de Janeiro (RJ). E foi no município fluminense de Saquarena (RJ) que saiu tragicamente de cena na madrugada de hoje, aos 63 anos, para ficar na história da música brasileira por conta de momento fugaz de sucesso. Loalwa, a rigor, foi cantora de somente um hit, Chorando se foi, gravada no período em que foi vocalista do grupo franco-brasileiro Kaoma.

Loalwa foi a voz do Kaoma de 1988 a 1999, período em que propagou a lambada no Brasil e no mundo. Promovida pelo Kaoma em 1989, ano em que a lambada era um dos ritmos preferenciais da indústria fonográfica do Brasil, a gravação de Chorando se foi adquiriu caráter histórico pelo sucesso superlativo. A música é versão de Llorando se fue, canção de ritmo andino composta por Chico de Oliveira e Gonzalo Hermosa-Gonzales, tendo sido lançada em disco em 1981 pelo grupo boliviano Los Kjarkas. A música tinha tudo para ficar restrita ao universo musical boliviano se não tivesse sido gravada pelo grupo Kaoma, com o autoexplicativo título de Lambada, no primeiro álbum da banda, World beat, lançado no fim de 1988.

Leia mais clicando aqui.

Wagner Marinho: Falecimento

Marinho

Marinho

De acordo com o portal G1, o cantor sertanejo Wagner Roberto Marinho, o ‘Marinho’ da dupla mato-grossense ‘Marinho e Eduardo’, morreu em 04.01.2017, após perder o controle da caminhonete que dirigia e capotar, na rodovia MT-208, em Nova Monte Verde, a 920 km de Cuiabá:

Segundo a Polícia Civil, depois de capotar o cantor caiu de cima de uma ponte da região, conhecida como Ponte Torta. O veículo ficou destruído após o acidente. O trecho da rodovia, onde ocorreu o acidente fica a 10 km da área urbana e não é pavimentado.

Leia mais clicando aqui.

Alphonse Mouzon (1948-2016)

De acordo com o site Van do Halen, o baterista Alphonse Mouzon faleceu em 26.12.2016 aos 68 anos:

Ele vinha enfrentando um câncer neuroendócrino desde setembro. Ele ficou conhecido graças ao grupo Eleventh House, tendo tocado também no Weather Report durante os dois primeiros anos da banda.

Alphonse Mouzon

Alphonse Mouzon

Seu álbum solo Mind Transplant, lançado em 1975, contava com Tommy Bolin (Deep Purple, James Gang) na guitarra. Durante seu discurso no Rock And Roll Hall Of Fame, em 1995, Robert Plant citou Alphonse como uma das influências do Led Zeppelin na música americana. Mouzon ainda gravou com Miles Davis, Patrick Moraz e Robert Flack, entre outros.

A noticia foi encontrada aqui.

No Wikipedia:
https://en.wikipedia.org/wiki/Alphonse_Mouzon