Tony Bizarro (1948-2022)

Tony Bizarro

De acordo com o Globo Online, foi anunciada em 31.01.2022 a morte do cantor, compositor e produtor paulistano Tony Bizarro:

Tony foi um dos grandes nomes da soul music brasileira, ao lado de Tim Maia, Cassiano, Gerson King Combo e Tony Tornado. “Acabei de receber a triste notícia, pela irmã Yara, de que nosso Tony Bizarro se foi!! Um cara grande, produtor da [gravadora] Polygram nos nossos bons tempos, com vozeirão imenso, e querido por todos!!”, escreveu Ivan Mamão Conti, baterista do grupo Azymuth.

Nascido em 1948 e batizado de Luiz Antonio Bizarro, ele iniciou a carreira em 1968 ao lado de Frankye Arduini com a dupla de rock Tony & Frankye, que chegou a lançar um LP em 1971, produzido por Raul Seixas (então, o produtor Raulzito, da gravadora CBS). Em 1977, Tony gravou o primeiro LP solo, “Nesse inverno”. Ao longo dos anos, ele lançaria outros LPs, cantaria em álbuns de Tim Maia, Lincoln Olivetti, Robson Jorge e Almir Ricardi. Como produtor, trabalhou com Cassiano, Odair José, Diana, Sidney Magal, César Sampaio, todos pelo selo Polydor.

Em 2011, depois de um afastamento dos estúdios, Tony Bizarro lançou o CD “Estou livre”, no qual regravou seu grande sucesso, de 1983, com a participação do rapper BNegão. Nos últimos anos, ele vivia em uma casa de repouso e sofria de Alzheimer.

Leia mais clicando aqui.

.
No site Farofafá, por Jotabê Medeiros:

Morreu na manhã desta segunda-feira aos 73 anos (faria 74 em 19 de abril), em São Paulo, o cantor, compositor e produtor Tony Bizarro, um dos pioneiros da soul music brasileira. Tony sofria do Mal de Alzheimer e chegou a ficar internado em uma clínica no litoral paulista durante anos, mas nos últimos dois anos estava vivendo em São Paulo. Como morreu a caminho de um hospital, a família ainda batalhava na tarde desta segunda-feira para fazer os procedimentos obrigatórios no Instituto Médico Legal (IML), necessários para quem morre nessa situação.

Influenciado por James Brown e Four Tops, o paulistano Luiz Antonio Bizarro foi revelado no início dos anos 1970, quando gravou um single lendário, Adeus, amigo vagabundo (Tony/Frankye/Adriano), ao lado do parceiro Fortunato Arduini, o Frankye (que morreu em 2017).

Com o barulho que causou esse hit da dupla, gravado também pelos Incríveis, o jovem produtor Raul Seixas foi escalado pela CBS para produzir o disco de estreia da dupla Tony e Frankye. O disco tem um suingue imbatível e é impecável, mas Raul caprichou demais num hit que não era muito da praia da dupla, Vamos lá para ver, que é um baião. Raul, que intuía que o som não poderia ser demasiadamente derivativo do som gringo, o aproximou do suingue nacional. Acontece que essa faixa destacou-se de todas as outras e criou uma expectativa de que continuariam nessa linha.

O disco saiu em 1971 e foi um grande sucesso, os artistas fizeram mais de 200 shows num único ano, mas quando a gravadora os chamou para gravar o segundo álbum, exigia que centrassem fogo em canções de duplo sentido e Frankye não topou, separando a dupla. A partir daí, Tony Bizarro se destacou como produtor, trabalhando em discos de Cassiano, Odair José, Diana e Sidney Magal.

Leia mais clicando aqui.

Tony Bizarro

The Voice+ Brasil 2022: Fase 1, Audição às Cegas 1, 30.01.2022

Mauricio Gasperini

Apresentações de hoje:

1. Mauricio Gasperini

– Cantou “Começo, Meio e Fim”
– Time Ludmilla

2. Acaciamaria

– Cantou “As Rosas Não Falam”
– Time Carlinhos Brown

3. Atilio Ancheta

– Cantou “Tuyo”
– Time Fafá

4. Narriman Senden

– Cantou “Rehab”
– Time Garrido

5. Cássia Portugal

– Cantou “Minha Missão”
– Time Fafá

6. Arlindo Moita

– Cantou “É Proibido Cochilar”
– Time Fafá

7. Marina Tartarini

– Cantou “Black Is Beautiful”
– Time Brown

8. Bel Nunes

– Cantou “A Ordem é Samba”
– Não foi classificada

9. Alba Lirio

– Cantou “Para Ver as Meninas”
– Time Garrido

10. Dionysia Moreira

– Cantou “Gostoso Demais”
– Time Brown

11. Chico Aafa

– Cantou “A Morte do Vaqueiro”
– Time Ludmilla

12. Lucinha Bosco

– Cantou “Pedacinhos do Céu”
– Time Garrido

Dionysia Moreira

Este episódio no site oficial: clique aqui.

Times até o programa de hoje:

TIME BROWN
– Acaciamaria
– Dionysia Moreira
– Marina Tartarini

TIME FAFÁ
– Arlindo Moita
– Atilio Ancheta
– Cássia Portugal

TIME GARRIDO
– Alba Lírio
– Lucinha Bosco
– Narriman Senden

TIME LUDMILLA
– Chico Aafa
– Mauricio Gasperini

Raul Sampaio (1928-2022)

De acordo com o site A Gazeta, o compositor Raul Sampaio morreu, aos 93 anos, na noite de 26.01.2022:

A causa da morte não foi divulgada. Raul é autor da música “Meu Pequeno Cachoeiro”, eternizada na voz de Roberto Carlos e que fala sobre a cidade natal de ambos, Cachoeiro de Itapemirim, no Sul do Espírito Santo.

Raul Sampaio

Além de “Meu Pequeno Cacheiro”, o compositor escreveu mais de 200 músicas, gravadas por vários artistas. “A Carta” foi sucesso na voz de Erasmo Carlos. Nos últimos anos, Raul vivia em Marataízes, também no Sul do Estado.

Leia mais clicando aqui.

Raul Sampaio

No portal G1, por Mauro Ferreira:

(…) Meu pequeno Cachoeiro extrapolou as fronteiras da interiorana cidade capixaba e virou sucesso nacional.

Contudo, Raul Sampaio – artista morto em hospital de Cachoeiro de Itapemirim na noite de ontem, 26 de janeiro, aos 93 anos, em decorrência de pneumonia e falência múltipla dos órgãos – deixou outros sucessos além da canção em tributo à cidade natal, música tornada hino de Cachoeiro em 1966.

A história do cantor Cauby Peixoto (1931 – 2016), por exemplo, fica incompleta sem menção ao samba-canção Nono mandamento, música composta por Raul Sampaio em parceria com René Bittencourt (1907 – 1979) que se tornou sucesso nacional desde que foi gravada em 1958 por Cauby.

Integrante do Trio de Ouro de 1952 a 1957, ao lado de Herivelto Martins (1912 – 1992) e Lourdinha Bittencourt (1928 – 1979), Raul Sampaio também foi parceiro do compositor Benil Santos (1931 – 2012) em músicas gravadas por Erasmo Carlos (A carta, em 1966) e Luiz Gonzaga (1912 – 1989) (Amor de minha vida, em 1960) e Miltinho (1928 – 2014), intérprete original de Lembranças, música que também ganharia as vozes de Angela Maria (1929 – 2018), Maria Bethânia, Nelson Gonçalves (1919 – 1998) e Gilliard, entre outros cantores.

Leia mais clicando aqui.

Gilson Conceição Junior (Bakaninha): Falecimento

De acordo com o Globo Online, morreu na manhã de 28.01.2022, o intérprete da Beija-Flor Gilson Conceição Junior, conhecido como Bakaninha, de 31 anos:

De acordo com informações do Corpo de Bombeiros, o quartel de Nova Iguaçu foi acionado às 6h59 para atendimento de um acidente de colisão de um carro com um muro, na Estrada Dr. Rufino Gonçalves Ferreira, em Nilópolis. O sambista morreu no local.

Bakaninha

Em nota de pesar divulgada nesta manhã, a agremiação destacou o talento de Bakaninha, cotado para ser a voz que substituiria Neguinho da Beija-Flor no microfone oficial. O sambista esteve na noite de ontem (27), na quadra da escola, onde foi realizado um ensaio.

Bakaninha integrava o time de cantores de apoio desde 2009 na Sapucaí. No posto de segundo cantor, por vezes conduziu ensaios da escola na ausência de Neguinho, que há pelo menos cinco anos o observava como potencial “herdeiro” ao posto de titular do microfone.

Leia mais clicando aqui.

Aurinha do Coco: Falecimento

Aurinha do Coco

Comunicado oficial:

Queridos, é com muita tristeza que dou a notícia para vocês do falecimento da Mestra Aurinha do Coco, hoje, na virada do dia 26 para o dia 27 de janeiro de 2022.

Estamos todos muito comovidos.

Nesse momento, além de tudo, precisamos entender como custear o sepultamento da Mestra, visto que no momento a família não tem essa estrutura financeira.

Disponibilizaremos o pix da produtora de Aurinha, Dora Motta, para quem puder contribuir para dessa forma conseguirmos proporcionar para Mestra a ritualização de sua passagem de forma digna: 21 988621571.

Com todo carinho e saudades da nossa Mestra,
Equipe Aurinha do Coco

No site Lost.Fm:

Uma das mais conceituadas conquistas de Pernambuco, a olindense Aurinha sempre tocou o Coco Raiz, aquele tradicional, que “possui uma batida mais pisada, mais machucada e gostosa”, como ela mesma define.

Filha de um maquinista com uma dona-de-casa, na adolescência Aurinha trabalhou com o comércio em Olinda. Incentivada pelos irmãos mais velhos, aos 17 anos adentrou no mundo da música cantando em corais de música erudita.

Leia mais clicando aqui.

No blog OlindaZumbi:

Áurea da Conceição de Assis Souza começou cantando em corais como o Coral São Pedro Mártir e o Madrigal do Recife. Natural de Olinda, cresceu ouvindo coquistas do bairro de Amaro Branco e, por 10 anos, integrou o grupo de Selma do Coco, como vocalista. Em meados dos anos 1990, seguiu carreira solo. Na atualidade, é uma das coquistas mais prestigiadas de Pernambuco, dona de uma voz forte e afinada. Já tocou em diversas partes do Brasil, participando de eventos importantes como o PercPan (BA) e o Abril Pro Rock (PE). Cantora, compositora e griô, já gravou e cantou com Alceu Valença, Naná Vasconcelos, Lia de Itamaracá, Ferrugem, entre outros.

Update 22h – No portal G1:

Mestra Aurinha do Coco deixou três filhas. Segundo a família dela, o corpo da artista é velado na Capela 6 do Cemitério e Crematório da Penitência, no Rio de Janeiro, das 15h às 18h de 28.01.2022, sendo cremado em seguida, no mesmo local. As cinzas serão jogadas em Olinda.

Por meio de nota, a Secretaria Estadual de Cultura (Secult) e a Fundação do Patrimônio Histórico e Artístico de Pernambuco (Fundarpe) lamentaram profundamente a morte da Mestra Aurinha do Coco. No texto, afirmaram que ela sempre foi um ícone de resistência da cultura popular.

O governo estadual também declarou que, além de cantora e compositora, Mestra Aurinha do Coco era griô, que é a pessoa responsável por manter a memória de um grupo ou comunidade e difundir tradições.

Leia mais clicando aqui.

Daniel Taubkin: Falecimento

Daniel Taubkin

O músico Daniel Taubkin faleceu em 26.01.2022. A informação foi anunciada nas redes sociais e a causa da morte não foi divulgada. Daniel era cantor, violonista, compositor e arranjador, irmão de Benjamim Taubkin (pianista e compositor) e Myriam Taubkin (produtora cultural) e tio de Luísa Maita (cantora e compositora). Era um dos fundadores do movimento de conscientização preservacionista “Pantanal Alerta Brasil”.

A irmã Myriam publicou:

Meu querido irmão Daniel Taubkin se foi hoje.

Um cara tão talentoso, grande músico, compositor de mão cheia. Uma tristeza pra todos nós, familiares.

Que siga um caminho de luz, com todas as bênçãos. Evoé, Daniel, fique em paz. Todo amor.

Update 27.01.2022 – De acordo com Myriam, o enterro será em 28.01.2022, no Cemitério israelita do Butantã, às 13 horas.

Mais sobre Daniel:
https://dicionariompb.com.br/artista/daniel-taubkin/

Álbum “Brasil”, inteiro:
https://www.youtube.com/watch?v=4xcS0NxCgOY&t=1342s

Don Wilson (1933-2022)

Don Wilson

De acordo com o site português Publico, morreu Don Wilson, o guitarrista que deu ritmo ao surf-rock — ou surf music — dos The Ventures:

Em 1958, entrou numa loja com um amigo para comprar uma guitarra. Juntos fundaram os The Ventures, banda que deu arranque à febre surf-rock, admirada por George Harrison, Jimmy Page ou Quentin Tarantino. Don Wilson morreu este sábado aos 88 anos.

Leia a matéria completa clicando aqui.

No site Guitar Load:

De acordo com o jornal inglês The News Tribune, o compositor morreu de causas naturais ao lado dos seus quatro filhos.

Ao lado do The Ventures, Don Wilson fez história e emplacou clássicos como “Walk, Don’t Run”, tema da série Hawaii Five-0. Sua banda é considerada o grupo instrumental que mais vendeu discos em toda história e foi incluída no Hall da Fama do Rock’n’Roll em 2008.

Don Wilson

Em comunicado para a imprensa, Tim Wilson, um dos filhos de Don Wilson, disse algumas palavras de carinho em relação ao seu pai. “Nosso pai foi um incrível guitarrista que tocou pessoas de todo o mundo com sua banda, The Ventures. Terá seu lugar na história para sempre e foi muito querido e amado. Sentiremos sua falta”, afirmou.

Leia mais clicando aqui.

Roy Caetano: Falecimento

Roy Caetano

De acordo com a Tribuna do Paraná, morreu em 22.01.2022, aos 67 anos, o cantor Roy (Roedil) Caetano:

Apesar de nascer em Santos (SP), o artista veio muito pequeno para Curitiba, onde fez grande sucesso regional na década de 1980, sendo um dos mais reconhecidos interpretes do Rei Roberto Carlos. Foi o compositor da música Julieta e chegou a fazer sucesso nos Estados Unidos, vendendo 1 milhão de cópias.

Leia mais clicando aqui.

Sylvio Cunha: Falecimento

Sylvio Cunha

De acordo com o site SRZD, faleceu em 21.01.2022 o carnavalesco Sylvio Cunha, de 69 anos:

Ele estava internado desde a última segunda-feira (17), na Unidade de Pronto Atendimento da Cidade de Deus, em Jacarepaguá, na Zona Oeste da cidade. Ele teve complicações causadas pela diabetes nesta madrugada e não resistiu.

Com mais de 40 anos de Carnaval, Sylvio, que era portelense de coração, assinou os desfiles da azul e branca entre 1989 e 1992 e ficou conhecido por modernizar a águia nos desfiles, dando a ela, os recursos de bater mecanicamente as asas, alçar os céus numa grua e movimentar bico e as garras. Também atuou por seis anos na Estácio de Sá.

Leia mais clicando aqui.

Robson França: Falecimento

De acordo com o portal G1, faleceu o radialista Robson França. Ele foi enterrado na tarde de 22.01.2022 no Cemitério Municipal de Petrópolis, na Região Serrana do Rio:

Ele tinha 57 anos e morreu nesta sexta-feira (21). Robson estava internado, em tratamento contra um câncer.

Robson França

No rádio trabalhou na Rádio Imperial, Sistema Globo de rádio e estava há mais de 20 anos na JB FM.

Amigos e familiares prestaram homenagens nas redes sociais.

Leia mais clicando aqui.

No site TudoRadio:

Robson França era muito querido no meio rádio do Rio de Janeiro. O profissional atuava há mais de 20 anos na JB FM e era uma das principais vozes da rádio do formato adulto-contemporâneo da capital fluminense.

Robson França

A emissora, inclusive, fez uma homenagem póstuma ao locutor em suas redes sociais. “Uma das mais belas vozes do rádio se calou na noite desta sexta-feira. A Família JBFM perdeu um grande amigo. Com muita tristeza, comunicamos o falecimento do nosso locutor Robson França, que, por mais de 20 anos, dividiu seu talento com a equipe e os ouvintes da JBFM”.

Leia mais clicando aqui.

Elza Soares (1930-2022)

Elza Soares

Mais um grande nome se vai. De acordo com o portal G1, a cantora Elza Soares morreu aos 91 anos. A grande cantora morreu em 20.01.2022, no Rio de Janeiro, mesmo 20 de janeiro em que morreu (em 1983) o grande amor de sua vida, Garrincha:

“É com muita tristeza e pesar que informamos o falecimento da cantora e compositora Elza Soares, aos 91 anos, às 15 horas e 45 minutos em sua casa, no Rio de Janeiro, por causas naturais”, diz o comunicado enviado pela assessora.

“Ícone da música brasileira, considerada uma das maiores artistas do mundo, a cantora eleita como a Voz do Milênio teve uma vida apoteótica, intensa, que emocionou o mundo com sua voz, sua força e sua determinação”.

“A amada e eterna Elza descansou, mas estará para sempre na história da música e em nossos corações e dos milhares fãs por todo mundo. Feita a vontade de Elza Soares, ela cantou até o fim”.

Leia mais clicando aqui.

Update 22h – O velório acontece nesta sexta-feiram 21.01.2022, no Theatro Municipal do Rio de Janeiro. Ele será fechado para familiares e amigos das 8h às 10h, mas aberto ao público das 10h às 14h. Em seguida, o corpo seguirá para o cemitério Jardim da Saudade de Sulacap com carro do Corpo de Bombeiros com trajeto passando pela Av. Atlântica. O velório no cemitério, assim como o enterro, serão restritos aos familiares e amigos.

No Wikipedia:

Elza Gomes da Conceição nasceu no Rio de Janeiro em 23 de junho de 1930 em uma família muito humilde, composta por dez irmãos, na favela da Moça Bonita, atualmente Vila Vintém, no bairro de Padre Miguel. (…)

Em 1999, foi eleita pela Rádio BBC de Londres como a cantora brasileira do milênio. A escolha teve origem no projeto The Millennium Concerts, da rádio inglesa, criado para comemorar a chegada do ano 2000. Além disso, Soares aparece na lista das 100 maiores vozes da música brasileira elaborada pela revista Rolling Stone Brasil.

Leia mais em
https://pt.wikipedia.org/wiki/Elza_Soares

Leia também:
Elza gravou álbum e DVD de memórias há dois dias

No portal G1:

Casou-se obrigada aos 12 anos, virou mãe aos 13 e viúva aos 21. Foi lavadeira e operária numa fábrica de sabão. Por volta dos 20 anos fez seu primeiro teste como cantora, na academia do professor Joaquim Negli. Foi contratada para a Orquestra de Bailes Garan e seguiu no Teatro João Caetano.

Ela começou a se destacar na música como parte da cena do sambalanço com “Se Acaso Você Chegasse”, em 1959.

Durante a carreira, ela se aproximou do samba, do jazz, da música eletrônica, do hip hop, do funk e dizia que a mistura é proposital. O último disco lançado foi “Planeta Fome” em 2019.

“Eu sempre quis fazer coisa diferente, não suporto rótulo, não sou refrigerante”, disse Elza ao g1, em entrevista de 2020. “Eu acompanho o tempo, eu não estou quadrada, não tem essa de ficar paradinha aqui não. O negócio é caminhar. Eu caminho sempre junto com o tempo.”

Desde que lançou o álbum “A mulher do fim do mundo” em 2015, a cantora viveu mais uma fase de renascimento artístico que. “Me deixem cantar até o fim”, pediu Elza em verso da música que batiza o álbum.

Pautada sobretudo pelo suingue da cadência do samba, a primeira fase áurea da cantora abarca discos gravados por Elza nos anos 60 com o cantor Miltinho (1928 – 2014) e com o baterista Wilson das Neves (1936 – 2017).

Fazem parte desta era lançamentos como “O samba é Elza Soares” (1961), “Sambossa” (1963), “Na roda do samba” (1964) e “Um show de Elza” (1965).

Outras fases vieram. Nos anos 70, escolheu cantar o samba de ritmo mais tradicional. A fase rendeu sucessos como “Salve a Mocidade” (Luiz Reis, 1974), “Bom dia, Portela” (David Correa e Bebeto Di São João, 1974), “Pranto livre” (Dida e Everaldo da Viola, 1974) e “Malandro” (Jorge Aragão e Jotabê, 1976).

Leia mais clicando aqui.

Elza Soares

Leia também:
Empresário conta que Elza Soares falou a familiares em seus últimos momentos: ‘Acho que vou morrer’

Um trecho:

“Ela estava bem, gravou o DVD no dia 17 e 18 de janeiro. Acordou hoje e fez fisioterapia. Tudo normal. (…) Um tempo depois, a cantora dirigiu-se aos familiares e disse: “Eu acho que eu vou morrer”.”