Sebastião Tapajós (1943-2021)

Sebastião Tapajós

O grande músico Sebastião Tapajós, de 78 anos, faleceu na noite de 02.09.2021 em um hospital particular na cidade de Santarém, no oeste paraense. Segundo informações do repórter Bena Santana, da Rádio Clube de Santarém, Sebastião estava prestes a receber alta médica após uma cirurgia, porém acabou apresentando complicações e acabou vindo a falecer. No Portal G1:

A morte de Sebastião Tapajós deixa uma grande lacuna no meio artístico, mas sua contribuição musical será lembrada por esta e as próximas gerações.

Desde que foi confirmada a morte do violonista, dezenas de manifestações de pesar estão sendo compartilhadas nas desdes sociais.

Os muitos feitos pela arte instrumental renderam várias homenagens.a Sebastião Tapajós, uma delas em novembro de 2013, com a cerimônia de outorga das insígnias de Doutor Honoris Causa ao músico santareno, concedidas pela Universidade Federal do Oeste do Pará (Ufopa). A solenidade foi promovida pelo Conselho Universitário Pro Tempore da Universidade.

Em 2018, um grupo de amigos realizou um tributo no auditório da Casa da Cultura, em Santarém, com o tema “Santarém do Tapajós: rio abaixo rio acima”. Na ocasião, foi assinada a lei municipal que concedeu pensão vitalícia ao violonista.

Leia mais clicando aqui.

Leia mais sobre o músico no Dicionário Cravo Albin:

https://dicionariompb.com.br/sebastiao-tapajos/biografia

O corpo deverá ser velado no plenário Benedito Magalhães da Câmara de Vereadores de Santarém.

Sebastião Tapajós

Nota do Presidente da Câmara Municipal de Santarém:

NOTA DE PESAR

A Câmara Municipal de Santarém vem de público manifestar pesar pelo falecimento do violonista Sebastião Pena Marcião, o Sebastião Tapajós, ocorrido neste sábado, 02 de outubro de 2021.

Dessa forma, o legislativo santareno reconhece o talento e o valor desse artista para a cultura santarena, que, com seu trabalho, levou o nome da Pérola do Tapajós para vários continentes.

E foi em terras mocorongas que Sebastião Tapajós escolheu para viver seus últimos dias, ficando a gratidão do nosso povo.

Ao mesmo tempo, os vereadores santarenos se solidarizam com familiares e amigos desse grande artista.

Ronan Liberal Júnior
Presidente da Câmara Municipal de Santarém

Sebastião Tapajós

A Câmara Municipal de Santarém divulgou nota de pesar comunicando o falecimento:

O mestre guitarrista Sebastião Tapajós, batizado de Sebastião Pena Marcião, literalmente fez seu nome depois de adotar o nome de seu amado rio. Renomado tanto pela técnica fenomenal quanto pela erudição, Tapajós criou uma vertente do violão brasileiro que combina o clássico e o popular com o folclore regional da Amazônia. Suas numerosas composições , produto de uma carreira que dura mais de 60 anos, são regravadas incessantemente em todo o mundo (com algumas dessas versões apresentadas neste site). Seus 90 álbuns, incluindo composições próprias e interpretação de clássicos, permanecem em demanda internacional, vendidos em seus formatos originais e em compilações encontradas na Internet. A projeção global de Sebastião Tapajós chamou a atenção para a cultura brasileira, a região amazônica e particularmente para o estado do Pará, ao qual ele dedica especial deferência. Seu nome é uma homenagem ao rio e à terra de onde ele saiu para obter aclamação mundial, e o lugar para onde ele voltou e vivia até hoje: o Rio Tapajós.

No Perfil Portal Oeste do Paraná:

Sebastião Pena Marcião (Alenquer, Pará, 16 de abril de 1943 – 02 de outubro de 2021) era violonista e compositor brasileiro.

Nascido em Alenquer mudou-se para Santarém ainda pequeno. Começou ainda criança a estudar violão. Em 1964, foi estudar na Europa. Formou-se pelo Conservatório Nacional de Música de Lisboa, em Portugal. Na Espanha, estudou guitarra com Emilio Pujol e cursou o Instituto de Cultura Hispânica. Realizou recitais nesses dois países. Regressando ao Brasil, recebeu a cadeira de violão clássico do Conservatório Carlos Gomes de Belém, onde lecionou até julho de 1967.

Ao longo de sua carreira, o artista já tocou com nomes conhecidos da MPB como Hermeto Pascoal, Jane Duboc, Zimbo Trio, Waldir Azevedo, Paulo Moura, Sivuca, Maurício Einhorn e Joel do Bandolim, e internacionais como Gerry Mulligan, Astor Piazzolla, Oscar Peterson e Paquito D’Rivera.

Em 1998 compôs a trilha sonora do longa-metragem paraense Lendas Amazônicas.

(…) Em abril de 2017 foi criado o Instituto Sebastião Tapajós com o intuito de divulgar e sistematizar a produção musical de Sebastião Tapajós. O endereço do sítio web é

http://www.istapajos.org.br/

Homenagem de Nilson Chaves:

“Perdi um amigo
Perdi um irmão
Perdi um mestre
Perdi um coração

Tenho a tristeza dessa perda
Mas tenho a gratidão da sua luz
Acho que agora sua música
Encantará muito.mais jesus

Sinto uma tristeza profunda
A dor de mim e dos seus
Meu parceiro de palco agora toca
Seu violão de luz a lado de Deus

Até mais Sebastião
Até mais grande tapajós
Tua música agora é eterna
Brilhando dentro de nós”