[Online] Aos Mestres, Com Carinho – 07 a 28.09.2021

“Aos Mestres, Com Carinho” é uma websérie documental realizada pelo Sesc e produzida pela Moleka Produções e Memeca Moschkovich em parceria com a Savalla Records. Em quatro episódios, o cantor e compositor Zé Renato conta ao público histórias e memórias de grandes nomes da música popular brasileira:

07/09 – Arranha-Céu (sobre Silvio Caldas)
14/09 – Natural do Rio de Janeiro (sobre Zé Ketti)
21/09 – Filosofia sobre (Noel Rosa e Chico Buarque)
28/09 – O amor é um segredo (sobre Paulinho da Viola)

⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
A websérie estará disponível no canal no YouTube do Sesc 24 de Maio:
youtube.com/sesc24demaiovideos

João Carlos Assis Brasil (1945-2021)

João Carlos Assis Brasil

De acordo com o blog de Ancelmo Gois em O Globo, o pianista João Carlos Assis Brasil faleceu em 06.09.2021, em Niterói, vítima de infarto:

No fim do ano passado, ele se mudou da Tijuca para o Fonseca, em Niterói. João Carlos de Assis Brasil, 76 anos, era professor do Conservatório Brasileiro de Música, o conservatório de Niterói e da Escola de Música Villa-Lobos. Músico internacionalmente reconhecido, ele estava confirmado para tocar na abertura do Música do Museu, no último fim de semana deste mês, no Palácio São Clemente.

João Carlos de Assis Brasil era irrmão gêmeo de Vitor Assis Brasil (1945-1981), que morreu prematuramente. Vá em paz.

A notícia foi encontrada aqui.

No Dicionário Cravo Albin:

Em 1965, participou do Concurso Internacional Beethoven, realizado em Viena (Áustria). Classificou-se em 3º lugar, disputando com mais de 60 candidatos. Nessa capital, aprimorou seus estudos com Richard Hauser e Dieter Weber, e atuou como solista na Orquestra Filarmônica de Viena.

João Carlos Assis Brasil

No ano seguinte, apresentou-se no Wigmore Hall (Londres), no Brahmsaal (Viena), no auditório da Família Meneghine (Milão) e no Teatro de Belgrado (Iuguslávia).

Em 1970, estudou com Ilona Kabos, em Londres.

Em 1975, apresentou-se na Universidade Católica em Washington.

Na década de 1980, formou, com Zeca Assumpção (baixo) e Cláudio Caribé (bateria), o João Carlos Assis Brasil Trio, que mais tarde contou com a participação de David Chew (violoncelo) e Idriss Boudrioua (sax). Apresentou-se, com o grupo, em vários concertos. Ainda nessa época, atuou como professor do Conservatório Brasileiro de Música e, durante cinco anos, como professor e diretor da Faculdade de Música da Universidade Estácio de Sá (RJ).

A partir de 1982, começou a desenvolver um trabalho com Clara Sverner (dois pianos e quatro mãos), gravando o LP “Clara Sverner e João Carlos Assis Brasil: Satie-Joplin”, considerado um dos 10 melhores disco do ano pelas revistas “Manchete” e “IstoÉ”.

Leia mais em
https://dicionariompb.com.br/joao-carlos-assis-brasil

Em uma rede social, a Escola de Música Villa-Lobos, da qual Assis Brasil foi professor durante muitos anos, homenageou o músico e pianista:

“João Carlos Assis Brasil era considerado uma lenda viva do piano brasileiro. Irmão gêmeo de outro grande músico, Victor Assis Brasil, João Carlos estudou piano clássico desde a infância, chegando a conquistar prêmios internacionais. Aprimorou-se na música popular americana, como nas trilhas de clássicos do cinema e do jazz, e retornou ao Brasil como um fenômeno do piano. Tocou com nomes gigantes de nossa música, Maria Bethânia, Zizi Possi, Alaíde Costa, Clara Sverter, Claudia Lira, Marcio Gomes, Ney Matogrosso, Wagner Tiso, Jacques Morelembaum, Jurim Moreira, lançou dois discos com obras de Villa-Lobos, dentre tantos outros sobre compositores de diversas eras da música. Em 2019, gravou no Auditório Guerra-Peixe seu álbum “João Carlos Assis Brasil Clássico”, com repertório de obras de compositores como Chopin, Liszt, Debussy, Tchaikovsky, dentre outros. Era um professor muito querido e presente na EMVL, que sempre estava praticando em algum piano, para alegria dos que passavam pelos corredores.

Deixamos nossos sentimentos aos familiares e amigos, e a certeza de que João Carlos Assis Brasil sempre será lembrado na memória de nossa escola e da música brasileira. Gratidão por dedicar a vida integralmente à música, mestre!”