Laíla (1943-2021)

Laíla

De acordo com o portal G1, Luiz Fernando Ribeiro do Carmo, o Laíla, morreu em 18.06.2021 vítima de Covid-19:

A informação foi confirmada pela escola de samba Beija-Flor.

Ele estava internado no Centro de Terapia Intensiva (CTI) do Hospital Israelita Albert Sabin, na Tijuca, Zona Norte do Rio.

Em março desta ano, Laíla postou uma foto recebendo a primeira dose da vacina contra a Covid em uma rede social.

Laíla estava no carnaval há mais de 50 anos. Teve passagens pela Beija-Flor, Vila Isabel e Unidos da Tijuca. É conhecido pela disciplina que comanda a harmonia das escolas por onde passa. A última escola em que atuou no Rio de Janeiro foi a União da Ilha, em 2020.

Leia mais clicando aqui.

Laíla é um dos maiores nomes da história dos Desfiles das Escolas de Samba do Rio de Janeiro:

Nascido Luiz Fernando Ribeiro do Carmo no Rio de Janeiro em 27 de Maio de 1943, Laíla é natural do Morro do Salgueiro, na Tijuca. Lá ele fundou uma das primeiras escolas mirins, a “Unidos da Ladeira”. Posteriormente, estrerou no Salgueiro, onde ocupou o cargo de diretor de harmonia até 1975, escola pela qual conquistou 7 títulos. Em 1976, Aniz Abraão David, o Anísio, o contratou, juntamente com Joãozinho Trinta, para reforçar a Beija-Flor. Logo nos três primeiros anos, a parceria Joãozinho-Laíla deu certo. A escola nilopolitana conquistou um tricampeonato (1976, 1977 e 1978).

Em 1980, Laíla foi para a Unidos da Tijuca, naquele ano no grupo de acesso (na época, 1-B), onde fez um carnaval vencedor ao lado do carnavalesco Renato Lage (“Delmiro Gouveia”), seguido por outro desfile inesquecível, “Macobeba – O que dá pra rir, dá pra chorar”, oitavo lugar no Grupo Especial (em 1981, ainda chamado de grupo 1-A). Laíla ficou na escola até 1983. Nos anos seguintes, teve breves passagens pela Vila Isabel, carnaval de Belém até regressar a Beija-Flor em 1989 onde foi elemento essencial do desfile que marcou a historia do carnaval em “Ratos e Urubus, larguem minha fantasia”. Em 1992, deixou mais uma vez a Beija-Flor (Joãosinho também saiu) e foi para a Grande Rio, onde permaneceu até 1994. Retornou à Beija-Flor em 1995 onde ajudou a montar a Comissão de Carnaval que rendeu vários títulos para a escola de Nilópolis.

Mestre Mug: Falecimento

De acordo com o site do jornal Extra, faleceu o mestre de bateria Amadeu Amaral, mais conhecido como Mestre Mug, que estava internado no hospital Universitário Pedro Ernesto (Hupe), no mesmo bairro da Zona Norte do Rio onde fica a escola cuja bateria comandou por 30 anos:

O falecimento foi confirmado pelas assessorias de imprensa do hospital e da escola, que ainda não tem detalhes sobre o sepultamento.

Mestre Mug

Mestre Mug, que era presidente de honra da bateria da Vila Isabel, estava internado desde março. Ele deu entrada na unidade para tratar de uma hérnia de disco na lombar e na cervical. Mas, segundo informações preliminares, teria contraído uma bactéria no pulmão. A assessoria do hospital informou que as causas da morte foram multiplas infecções. Em setembro de 2020, o sambista chegou a ter Covid-19, foi internado, mas venceu a doença.

Leia mais clicando aqui.