João Bá (1932-2019)

João Bá

O compositor João Bá faleceu aos 87 anos, de acordo com texto de Lenir Boldrin:

João Batista Oliveira, nascido em Crisópolis no sertão da Bahia em 25 de Junho de 1932, compositor e cantador brasileiro, poeta da maior pureza e encantamento, ator e contador de histórias.

Filho de lavradores pobres, começou a trabalhar quando criança para ajudar a família. Segundo o artista, quando caiu o primeiro dente, seu pai sentenciou que ele já estava preparado para trabalhar. Foi então que começou a ajudar na pequena lavoura. As dificuldades da infância pobre e difícil o levaram a observar a natureza ainda no trabalho, formando assim um tema recorrente até os dias de hoje em suas canções. Aos doze anos, começou a compor e cantar”.

Agora ganhou mais um adjetivo, se tornou ENCANTADO.

João Bá, em um mundo em que ouvimos e conhecemos o poder e a destruição que pode causar o ego, sempre comentei que foi nele que aprendi o que pode ser a força e o poder da humildade, a riqueza de ser gente, de ligar o verdadeiro elo da humanidade.

Vai em paz, siga com sua iluminada alma.

…e agradeço por cada gesto, cada sorriso, cada abraço.
Vou continuar seguindo sua luz.

Se o mundo precisa redescobrir o significado da palavra Humano, que estudem João Bá.

No Wikipedia:

Nascido em 1932, João Bá começou a trabalhar na roça muito cedo. Do final de sua infância até o fim de sua adolescência (período que se inicia em 1944 e vai até 1952), sempre mostrou interesse pela arte, engajando-se em atividades artísticas na pequena cidade de Crisópolis. Atuava em pequenas peças teatrais, compunha cantigas sertanejas e ensaiava seus primeiros poemas. Aos 20 anos, deixa o sertão da Bahia e chega a São Paulo em busca de uma vida melhor. Emprega-se em uma farmácia no tradicional bairro da Mooca, localizado na região centro-leste de São Paulo. Nesse período, inscreve-se para estudar no Ginásio (escola) – atual Ensino Fundamental) – onde fica sabendo de um concurso de poesia realizado pela Rádio Bandeirantes. Mesmo não vencendo, decide continuar tentando. Depois de 14 anos morando na cidade e fazendo amizades no meio artístico, surge a oportunidade de participar da primeira edição do Festival da Música Popular Brasileira, realizado em 1966, pela TV Record. No entanto, sua música Madeira Encarnada foi censurada pela Ditadura Militar por, supostamente, fazer referência a um oficial de nome “Sargento Madeira”. De acordo com o artista, o adjetivo “encarnada”, foi interpretado como uma provocação velada ao militar, de personalidade tempestiva e autoritária, que costumava perseguir artistas considerados subversivos ao Regime. Além disso, a letra fazia críticas sociais nos versos “olha o índio querendo viver” (referência às mortes provocadas por latifundiários no campo) e “olha o preço subindo, amargando/olha o povo querendo comer” (referência à situação de miséria e fome do país). Embora não tenha participado desse festival histórico, o caso da censura deu visibilidade a João Bá no meio musical, pois sua música passou a ser comentada nos bastidores como uma das favoritas ao título de melhor canção.

Leia mais em
https://pt.wikipedia.org/wiki/Jo%C3%A3o_B%C3%A1