Richie Havens (1941-2013)

Richie Havens, astro da folk music e destaque de Woodstock, morreu na manhã de 22.04.2013 aos 72 anos:

Known for his distinctive intense, rhythmic guitar style and soulful covers of pop and folk songs, Havens toured and recorded music for over 40 years before retiring from the road three years ago.

Richie Havens em 1969

Richie Havens em 1969

Leia mais visitando este link.

Em português n’O Esquema:
http://www.oesquema.com.br/trabalhosujo/2013/04/22/richie-havens-1941-2013.htm

Cajuína, por Caetano Veloso

cajuina.

CAJUÍNA
(Caetano Veloso)

Existirmos: a que será que se destina?
Pois quando tu me deste a rosa pequenina
Vi que és um homem lindo e que se acaso a sina
Do menino infeliz não se nos ilumina
Tampouco turva-se a lágrima nordestina
Apenas a matéria vida era tão fina
E éramos olharmo-nos intacta retina
A cajuína cristalina em Teresina

O autor fala da canção:

Torquato Neto e Caetano

Torquato Neto e Caetano

“Numa excursão pelo Brasil com o show ‘Muito’, creio, no final dos anos 70, recebi, no hotel em Teresina, a visita de Dr. Eli, o pai de Torquato. Eu já o conhecia, pois ele tinha vindo ao Rio umas duas vezes. Mas era a primeira vez que eu o via depois do suicídio de Torquato. Torquato estava, de certa forma , afastado das pessoas todas. Mas eu não o via desde minha chegada de Londres: Dedé e eu morávamos na Bahia e ele, no Rio (com temporadas em Teresina, onde descansava das internações a que se submeteu por instabilidade mental agravada, ao que se diz, pelo álcool). Eu não o vira em Londres: ele estivera na Europa, mas voltara ao Brasil justo antes de minha chegada a Londres. Assim, estávamos de fato bastante afastados, embora sem ressentimentos ou hostilidades. Eu queria muito bem a ele. Discordava da atitude agressiva que ele adotou contra o Cinema Novo na coluna que escrevia, mas nunca cheguei sequer a dizer-lhe isso. No dia em que ele se matou, eu estava recebendo Chico Buarque em Salvador para fazermos aquele show que virou disco famoso. Torquato tinha se aproximado muito de Chico, logo antes do tropicalismo: entre 1966 e 1967. A ponto de estar mais freqüentemente com Chico do que comigo. Chico e eu recebemos a notícia quando íamos sair para o Teatro Castro Alves. Ficamos abalados e falamos sobre isso. E sobre Torquato ter estado longe e mal. Mas eu não chorei. Senti uma dureza de ânimo dentro de mim. Senti-me um tanto amargo e triste, mas pouco sentimental.

Quatro, anos depois, encontrei Dr. Eli, que sempre foi uma pessoa adorável, parecidíssimo com Torquato, e a quem Torquato amava com grande ternura, essa dureza amarga se desfez. E eu chorei durantes horas, sem parar. Dr. Eli me consolava, carinhosamente. Levou-me à sua casa. D. Salomé, a mãe de Torquato, estava hospitalizada. Então ficamos só, e eu na casa. Ele não dizia quase nada. Tirou uma rosa-menina do jardim e me deu. Me mostrou as muitas fotografias de Torquato distribuídas pelas paredes da casa. Serviu cajuína para nós dois. E bebemos lentamente. Durante todo o tempo eu chorava. Diferentemente do dia da morte de Torquato, eu não estava triste nem amargo. Era um sentimento terno e bom, amoroso, dirigido a Dr. Eli e a Torquato, à vida. Mas era intenso demais e eu chorei. No dia seguinte, já na próxima cidade da excursão, escrevi Cajuína.”

(Fonte: blog de Jorge Bastos Moreno)

Torquato Neto foi um dos principais responsáveis pelo surgimento do movimento tropicalista. Foi letrista de canções como “Geleia Geral” (com Gilberto Gil), poeta, ator, cineasta, jornalista. Em 1972, com 28 anos, suicidou-se no banheiro de casa, deixando um bilhete com o seguinte conteúdo, citando seu filho Thiago, na época com três anos:

“Tenho saudade, como os cariocas, do dia em que sentia e achava que era dia de cego. De modo que fico sossegado por aqui mesmo, enquanto durar. Pra mim, chega! Não sacudam demais o Thiago, que ele pode acordar.”

Chrissy Amphlett (1959-2013)

Chrissy Amphlett

Chrissy Amphlett

De acordo com o portal G1, a ex-vocalista da banda Divinyls, a australiana Chrissy Amphlett, morreu nesta segunda-feira [22.04.2013] aos 53 anos em Nova York:

Ela sofria de câncer de mama e esclerose múltipla.

A banda Divinyls é conhecida pelo hit mundial “I touch myself”, lançado em 1990. Chrissy foi coautora da faixa. O grupo foi formado em 1980 e ficou junto até 1997, com cinco discos de estúdio lançados, além de um período de reunião entre 2006 e 2009.

Sua prima Patricia Thompson disse em comunicado em nome da família que a artista lutou contra a doença com “um valor e dignidade excepcional”.

“A sua foi uma vida de paixão e criatividade. Sempre viveu plenamente”, disse Patricia em comunicado em nome da família.

Leia mais visitando este link.